fbpx
Ceratocone: saiba tudo sobre o crosslink de córnea

Ceratocone: saiba tudo sobre o crosslink de córnea

Dr. Marcelo Mesquita

O ceratocone é uma doença que acomete a córnea, causando afinamento, protrusão e distorção progressiva dos tecidos.

Comumente, afeta os dois olhos, mesmo que de forma assimétrica. Com o passar do tempo, a visão se torna cada vez mais embaçada e a correção do problema com óculos ou lentes de contato passa a não ser mais possível.

Apesar de não existir cura para o ceratocone, alguns tratamentos podem ser empregados para retardar a evolução da doença e melhorar a capacidade visual, como o implante de anel corneano e o crosslinking (ou crosslink).

Hoje, vamos entender um pouco mais sobre o crosslinking da córnea, uma técnica que usa um colírio e luz ultravioleta para fortalecer o colágeno e reduzir a progressão do ceratocone.

Leia também:
CERATOCONE: CAUSAS, SINTOMAS E TRATAMENTO

Indicação de crosslink

O crosslink de córnea é indicado em casos de ceratocone leves ou moderados, em que a doença está progredindo. O ideal é fazer o procedimento enquanto a córnea ainda não apresenta muita irregularidade e antes de um comprometimento visual significativo.

São sinais de progressão:

  • piora nas medidas de curvatura realizadas por meio da topografia de córnea;
  • aumento da miopia;
  • piora da visão.

O crosslink pode ser combinado com outros tratamento, como o implante de anel corneano, por exemplo, em casos mais avançados.

Como funciona o crosslink?

O crosslink aumenta o número de ligações químicas entre as fibras de colágeno da córnea, conseguindo que ela se torne mais rígida e resistente. Dessa forma, ocorre uma estabilização do quadro, interrompendo a progressão do ceratocone.

Para produzir a reação química entre as fibras colágenas, são necessários:

  • Agente fotoindutor: um colírio de riboflavina (vitamina B2) é utilizado para induzir a reação química do crosslink. Porém, para que a medicação seja melhor absorvida, é necessário remover o epitélio (camada superficial de células da córnea).
  • Luz ultravioleta: a riboflavina absorve a luz UV e produz moléculas de radicais livres que induzem as ligações entre as fibras.

Exames pré operatórios

Além da consulta completa, os seguintes exames complementares são necessários antes do procedimento:

  • topografia corneana: mapeia o formato da córnea;
  • paquimetria: mede a espessura da córnea.

Resultados do crosslink

O crosslink consegue uma estabilização do quadro e evita a progressão do ceratocone na maioria dos adultos, com melhora da visão e do formato da córnea.

Entretanto, as crianças podem voltar a apresentar uma evolução tardia do ceratocone.

Os pacientes devem ser acompanhados de 3 em 3 meses durante o primeiro ano e de 6 em 6 meses a partir do segundo ano.

Segurança do procedimento

O crosslink apresenta pouco risco de complicações. Porém, como todo procedimento cirúrgico, pode ocorrer infecção, defeitos na cicatrização e embaçamento da visão.