fbpx
Exame de vista em crianças: quando devemos fazê-lo?

Exame de vista em crianças: quando devemos fazê-lo?

Dra. Carolina Paes assinatura

Já é de se esperar que você entenda o quanto um exame de vista é importante para toda a família, principalmente as crianças. Nós, da Advision, também já conversamos bastante sobre como ele funciona. Aliás, para saber todos os detalhes de uma consulta de rotina ao oftalmologista, é só clicar aqui.

Hoje, nosso foco será nos intervalos entre as consultas e, durante eles, quais sinais devemos nos atentar para garantirmos que a visão dos pequenos está 100%. Vamos lá?

De quanto em quanto tempo deve-se fazer o exame de vista em crianças?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica, o ideal é manter os exames de vista nas seguintes frequências:

  • 0 – 2 anos: a cada 6 meses;
  • 2 – 9 anos: 1 vez a cada 12 meses.

É muito importante se atentar a esses períodos. Afinal, é durante todos esses anos que a visão da criança está se desenvolvendo. Logo, diagnosticar qualquer problema nessa fase é essencial para que a saúde ocular do paciente não fique comprometida.

E depois disso?

As recomendações para crianças acima dos 9 anos continua sendo visitar o oftalmologista pelo menos uma vez ao ano.

Como saber se meu filho está com algum problema de visão?

Um ponto importante sobre os exames de vista em crianças é: em caso de incômodos e/ou sintomas de alguma doença ocular, é necessário levar o pequeno ao oftalmologista independentemente de quando foi a última visita ao consultório.

A grande questão é que algumas crianças, especialmente as mais novas, não sabem expressar seus incômodos/sintomas. Muitas vezes, elas nem sequer entendem que a vista está embaçada, ou que possuem dificuldade para distinguir as cores.

Sendo assim, aí vão alguns sinais de alerta que os pais devem observar em seus pequenos:

  • dores de cabeça: se o seu filho reclamar que está sentindo dores de cabeça, principalmente no fim do dia, pode ser que ele esteja fazendo muito esforço visual.
  • Sensibilidade à luz: crianças que têm astigmatismo (e até mesmo estrabismo) costumam fechar os olhos quando são expostas à muita luz, e ainda podem reclamar de dores de cabeça nessas circunstâncias.
  • Sentar-se muito perto da TV, ou aproximar os objetos dos olhos para enxergá-los melhor: pode indicar alguns erros refrativos como a miopia, por exemplo.
  • Dificuldade para ler ou falta de concentração: costuma ser indicativo de condições como astigmatismo e estrabismo. Porém, é importante considerar que este sinal também pode estar relacionado a alguns problemas de aprendizagem.
  • Apertar os olhos com frequência: alguns erros refrativos como a miopia e o astigmatismo, por exemplo, fazem com que a criança fique apertando os olhos, de forma inconsciente, para melhorar o foco (tanto para objetos próximos, quanto os mais distantes).
  • Lacrimejamento excessivo e olhos vermelhos: se o pequeno lacrimejar muito enquanto estiver mexendo com algum dispositivo eletrônico, pode ser que ele esteja fazendo muito esforço visual e, portanto, precise de óculos. O mesmo vale para os olhos vermelhos.
  • Esfregar muito os olhos: além de indicar alguns tipos de alergias e condições oculares como a conjuntivite, crianças que coçam muito os olhos podem estar com fadiga ocular, ou até mesmo ceratocone. Então, tenha atenção redobrada com relação a esse sinal, combinado?
  • Inclinar muito a cabeça, ou cobrir um dos olhos: muitos pequenos, com o propósito de melhorarem a qualidade visão, costumam ter esse tipo de comportamento. Normalmente, isso indica problemas oculares como visão dupla, ambliopia ou estrabismo.
  • Pupila branca: indica problemas como leucocoria, catarata congênita ou ainda retinoblastoma. De todos os sinais, esse é o que você mais deve atenção. Caso você o note em seu pequeno, procure por ajuda oftalmológica imediatamente.

Enfim…

Lembre-se de que os exames de vista em crianças são fundamentais para que a visão delas se desenvolva corretamente! Para garantir tal conquista, não é muito difícil: basta manter as consultas em dia com o oftalmologista nos períodos indicados, e pronto, já estamos a meio caminho andado!

No mais, tranquilize seus pequenos e explique a eles como tudo funciona e o motivo pelo qual todo esse processo é importante para a saúde deles! Assim, tudo ficará mais fácil.